terça-feira, 4 de agosto de 2009

sobre passos.

Eu já caminhei muito.
Já vesti de flores os cabelos e também os braços.
Eu caminhei em direções bonitas,
molhei os pés em água salgada e mergulhei de olhos abertos em água doce.
Eu, assim como tudo que respira,
perdi o fôlego e já enchi a cara, de tapas, de beijos e espinhas.

Eu, que escrevo e conto pra vocês
ainda não tinha pensado sobre a distância dos passos que dei.
Pensei hoje, pensei.

Felizes os que vão longe demais!

6 comentários:

Vital disse...

Caminhar é inevitável... se você deixa os pés encontrarem a estrada, eles te levam pra longe sem mesmo que percebas.

Belas palavras.

THE POEM HAS BROKEN disse...

Tem dias que nem percebemos o tamanho dos passos e saltamos tão grande e nem sentimos mais os pés, as pernas... só sentimos as asas brigando com o vento e aquele sorriso largo de felicidade.

João Oliveira disse...

belo que cala
bala que sela, palavra

você é enorme.

céu e saudade disse...

Felizes os que vão longe e nunca param.

céu e saudade disse...

ah, pra que não esqueças: é sempre muito bom passar aqui pra recuperar o fôlego.

Meire disse...

Felizes dos que vão sem medo*