sábado, 5 de setembro de 2009

Infiltração

Molhada me entrego
ao divino contato
do corpo contado
em voz baixa.

Molhada me entrego
ao gole,
saliva da boca
e amanheço
teu molhado gosto
em mim.

Molhada me transformo,
antes mesmo
dos olhos molharem
outra vez.

Molhada,
água sua, água suada.

Molhada morada do amor.

4 comentários:

Ian Lehmann disse...

eu acho interessante isso que tu tem com a água.. ou que ela tem contigo..

Ian Lehmann disse...

ah, e acho bonito também :b

Emely disse...

Quente!

=)

Filipe F. Bonita disse...

legal o texto! e o layout da pagina ta demais, parabens!