segunda-feira, 28 de maio de 2007

Chegando Junho...

Perdi a conta de quantas vezes me senti assim.
Perdi o canto de todas as vezes que assim me senti...
E não perco mais!
Esse frio tá castigando a pele e machucando os lábios.
Os pés procuram um par embaixo do cobertor.
O barulho da chuva na janela, não me deixa dormir.
Nem me sentir sozinha.

Chuva de madrugada é estranho,
é choro de quem não tem com quem deitar!

Um comentário:

Roberto Leonan disse...

"Lembro, ou imagino, que na minha infância aqui no subúrbio do Rio de Janeiro, ficava esperando o inverno chegar só pra poder me entorpecer no frio das madrugadas de junho...

No frio a navalha da consciência fica adormecida."

(Trecho de "CARTA DE NÁU" - Novaes, R.L.M. Sigla editoração. 2005.)