segunda-feira, 11 de junho de 2007

Teu VERde no meu VERmelho.

Meu vermelho no verde dele, complementa.
Meu vermelho no verde dele, com pimenta.
Meu vermelho no verde dele, sem estrada!

O verde que arrasta, rasga, estampa.
O verde que olha, pede, chama.
Chama vermelha.
Chama o vermelho.
Chama o meu.

Olha pro céu e conta.
Sem medo, sem ser clichê, aponta uma estrela cadente.
Peça!
Peça que deixa nua.
Que desnorteia.
Que diz o norte.
Peço!
Peço que seja leve, que seja sempre, que seja assim.
Sem medo.

Decoro teu apartamento e deixo meu cheiro por lá.
Deixo prá que se lembre, prá que toque.
Deixo meu VERmelho no teu VERde.
E você, deixa teu verde olhar em mim.

Um comentário:

Roberto Leonan disse...

belo...



as cores distraem as formas...



mesmo assim prefiro o verde.



...o verde se expressa!